InícioNotíciaEstudo da Fiocruz indica que BCG é ineficaz quando aplicada em adultos...

Estudo da Fiocruz indica que BCG é ineficaz quando aplicada em adultos — Blog Edenevaldo Alves

Published on


Estudo realizado por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) reforça que a vacina BCG deve ser aplicada em crianças até 5 anos de idade, para prevenir a forma grave da tuberculose, mas é ineficaz quando aplicada em adultos contra a infecção inicial pelo vírus Mycobacterium tuberculosis, causador da doença.

Publicado nesta semanana, na revista britânica The Lancet – Infectious Diseases, o trabalho indica, também, a necessidade que sejam desenvolvidas novas vacinas em todo o mundo contra a doença.

O trabalho foi realizado apenas no Brasil, nas cidades de Campo Grande (MS), Manaus (AM) e Rio de Janeiro (RJ) pelos pesquisadores Julio Croda, Margareth Dalcolmo e Marcus Lacerda. O levantamento integra o ensaio clínico Brace, com BCG randomizado, em que os participantes foram escolhidos de forma aleatória, cujo objetivo principal era avaliar a eficácia da vacina em trabalhadores de saúde contra a covid-19.

O estudo Brace foi financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates e abrangeu cinco países: Brasil, Holanda, Espanha, Austrália e Reino Unido.

À Agência Brasil, o pesquisador Julio Croda explicou que a preocupação foi avaliar a BCG se a revacinação com BCG iria proteger trabalhadores de saúde de infecções por tuberculose.

“O artigo prévio mostrava que, eventualmente, a revacinação com BCG poderia proteger para infecção por tuberculose e fomos testar essa hipótese”. A conclusão foi que a revacinação em adultos não é recomendada.

“Mostramos que, no Brasil, revacinar com BCG não protege contra o Mycobacterium tuberculosis”, afirmou. Foram escolhidos dois grupos de profissionais de saúde, totalizando 2 mil pessoas, das quais mil foram revacinadas com BCG e mil não receberam a vacina. Testes sanguíneos foram feitos antes de a pessoa ser vacinada com BCG e depois de 12 meses, para ver quantos pacientes adquiriram essa infecção. Observou-se, então, que a chance de se infectarem, da ordem de 3%, foi igual nos dois grupos.

“Os que receberam a vacina tiveram a mesma chance de infecção dos que não foram vacinados”, informou Julio Croda. De acordo com Croda, no Brasil não existe recomendação de revacinação. O estudo comprova que a recomendação de não revacinar continua adequada, porque ela não garante uma proteção para quem tomou a vacina. (Agência Brasil)



Fonte

Latest articles

Homem armado com faca ataca vigilante em centro de compras de Juazeiro

Um homem, armado com uma faca, atacou um dos vigilantes dentro do Shopping...

Maviel Melo fará sarau poético em Juazeiro para lançar seu mais novo livro

O Centro de Cultura João Gilberto, em Juazeiro (BA), receberá no próximo dia...

Juazeiro: Projetos aprovados nos editais da Lei Paulo Gustavo começam a ser executados

Os projetos aprovados nos editais da Lei Paulo Gustavo, da Prefeitura de Juazeiro...

Atleta de Petrolina faz 2º melhor tempo entre brasileiros na Maratona de Boston

Um atleta de Petrolina fez bonito na tradicional Maratona de Boston (EUA), realizada...

More like this

Homem armado com faca ataca vigilante em centro de compras de Juazeiro

Um homem, armado com uma faca, atacou um dos vigilantes dentro do Shopping...

Maviel Melo fará sarau poético em Juazeiro para lançar seu mais novo livro

O Centro de Cultura João Gilberto, em Juazeiro (BA), receberá no próximo dia...

Juazeiro: Projetos aprovados nos editais da Lei Paulo Gustavo começam a ser executados

Os projetos aprovados nos editais da Lei Paulo Gustavo, da Prefeitura de Juazeiro...