InícioameaçasComo são as fraudes no Pix e o que os bancos precisam...

Como são as fraudes no Pix e o que os bancos precisam assegurar

Published on


*Por Denis Furtado

 

O Banco Central (BC) registrou 1,7 milhão de fraudes envolvendo o Pix em 2022, um aumento de 180% em relação ao ano anterior. Estima-se que o prejuízo total tenha sido de R$ 1,7 bilhão. Esse valor representa mais de 1,5% do volume total, ou seja, uma parcela significativa do volume total de transações realizadas via Pix no mesmo ano, que foi de R$ 10,4 trilhões.

 

Ao contrário do que muitos acreditam, as fraudes no Pix não decorrem de falhas no sistema em si ou de ataques cibernéticos, mas sim de coação ou engenharia social que induz a vítima a práticas autolesivas.

 

Um dos métodos comuns envolve a criação de perfis falsos em aplicativos de mensagens ou redes sociais, fingindo ser uma pessoa próxima. Em seguida, pedem que a vítima faça um pagamento pelo Pix falsamente motivado por uma emergência ou um negócio vantajoso.

 

Outro golpe frequente envolve o envio de QR codes falsos ou adulterados. As vítimas, ao escanearem esses códigos, transferem dinheiro para contas fraudulentas. Além disso, há casos de pessoas que têm seus dispositivos infectados por malware que interceptam suas transações Pix e desviam os fundos.

 

E na outra ponta as instituições financeiras precisam aprimorar cada vez mais os protocolos de segurança e investir em tecnologias que detectem e previnam esse tipo de fraude.

 

Um dos pontos importantes é a necessidade de verificar a regularidade de hábitos do cliente. Por exemplo, se alguém efetua rotineiramente as operações de Pix em sua casa ou no trabalho, a geolocalização da transação deve condizer com esses locais. Caso contrário, deve indicar uma possível fraude e demandar verificação. Várias transações em um pequeno intervalo de tempo também podem ser um indício importante, especialmente se partirem de uma conta habitualmente pouco movimentada.

 

É muito importante que a população entenda que a instituição bancária tem a responsabilidade de garantir a segurança das transações.  O Banco Central do Brasil tem feito exigências cada vez mais relevantes para que as instituições adotem processos e sistemas antifraude eficientes. E a boa notícia é que soluções de classe global com reconhecida liderança de mercado já são acessíveis não apenas a grandes instituições, mas também a startups, fintechs e infratechs, que podem integrar suas plataformas e evitar inúmeros problemas com graves consequências ao seu caixa e à sua reputação.

 

Em suma, as pessoas sempre precisam ter cautela nas suas ações para não cair em ações fraudulentas e as instituições financeiras podem e devem usar recursos tecnológicos altamente eficientes e acessíveis disponíveis no mercado para mitigar essas fraudes.

 

*Denis Furtado, Head de Negócios da BSafe



Fonte

Latest articles

Atuação do MST vira embate entre deputados da Alepe

A reforma agrária e a atuação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra...

Abertas inscrições para o concurso de poesias ‘Viva Caatinga’, em Petrolina

No domingo, 28 de abril, Petrolina, no Sertão de Pernambuco, recebe o concurso...

Prefeitura Municipal prorroga prazo de pesquisa de satisfação dos serviços em seu Portal

Os petrolinenses e usuários dos serviços oferecidos pela Prefeitura de Petrolina em seu...

Segurança Adaptativa é tendência tecnológica para governos em 2024, aponta Gartner

O Gartner identificou as cinco principais tendências de tecnologia para governos em 2024,...

More like this

Atuação do MST vira embate entre deputados da Alepe

A reforma agrária e a atuação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra...

Abertas inscrições para o concurso de poesias ‘Viva Caatinga’, em Petrolina

No domingo, 28 de abril, Petrolina, no Sertão de Pernambuco, recebe o concurso...

Prefeitura Municipal prorroga prazo de pesquisa de satisfação dos serviços em seu Portal

Os petrolinenses e usuários dos serviços oferecidos pela Prefeitura de Petrolina em seu...